Casa da Tuka
 

8 de mar de 2006

Por onde andei enquanto você me procurava

Nem tão cega para se achar feia e nem tão suficiente para se sentir linda. Nem tão seca para ser a magra que gostaria e nem tão untuosa para ser gorda. Nem preta - nem branca. Nem isso e nem aquilo. Ela é ela, sem maiores definições.

Ao se olhar no espelho enxerga os olhos envoltos pelas olheiras que, assim como física quântica, não consegue compreender jamais. Só que assim como vários, não faz questão de entender certas coisas, já o motivo das olheiras... Se dorme bem, estão lá, se não: seguem ali.

Seus cabelos ondulados e compridos que nunca eram mais curtos do que a altura dos ombros. Sua boca de lábios finos que definitivamente não faziam jus ao tamanho de seu sorriso. O nariz pequeno e meio pontudo demais que já foi seu grande complexo. As orelhas, sempre com brincos imensos, que obrigatoriamente sempre combinavam com a cor da blusa.

Nua, observa seu corpo como a um grande amigo, o que esteve com ela em tantas batalhas. Um aliado, que, se deixou-se cair, levantou tão logo pôde e mesmo assim manteve-se firme sempre que possível.

Aquela cicatriz no pé direito da queda do balanço aos dez. A eterna mancha da espinha cutucada perto do olho aos dezesseis. O joelho que ainda dói do tropeço na escada aos vinte e quatro. Eternas companhias uns dos outros: ela, seus erros e acertos e todas as marcas, físicas ou não, ganhas pelo caminho.

Muitas vezes segura, em outras medrosa, alguns momentos de mulher, outros de menina, possui dias em que dá colo, outros em que pede, tem horas em que em ri, inclusive de si mesma, e outras em que chora, tem momentos de ser ela e outros de se deixar ser qualquer coisa.

Existem horas que não sei pra onde ir. Existem horas que é o caminho que não sabe pra onde nos levar.

Por isso ela segue mesmo quando não sabe aonde ir. Segue com todos os poréns e incertezas acolhidos a cada passo. Segue sendo ela, mesmo muitas vezes desejando ser outra. Segue como eu, como você e até mesmo como o próprio caminho que de vez em quando também se perde de nós.

Marcadores:


Postado por Tuka *
Comments:
me perdi nesse texto. ou seria, me achei? um beijo no seu coração, camela louca! bjus
 
TUKA,
lí todos os seus posts de cima abaixo.
Que moça inteligente e talentosa !
Tô fã.
De crachá e carteirinha.
;)
 
Caminha junto com a vida pois essa tornou-se sua amiga inseparável! amiga das horas boas e horas ruins.
Tem horas que pensa que a sua vida não é boa, mas se é ruim com ela, pior sem ela! (rs*)

Feliz dia internacional da mulher!!
Beijus
 
Lindo, uma das mais leves e belas descrições que já li...

E fiquei imaginando minha propria descrição, como seria se soubesse ser tão leve...

Beijos
 
Tuka menina, Tuka mulher!
Parabéns pelo meu e pelo seu dia, parabéns pra todos nós.
Amei que você tenha passado lá no meu blog, estou gostando desta amizade que está se formando!
Parabéns pelo texto, lindo, me vi diversas vezes enquanto lia, parecia que falava de mim, ou de você, talvez de todas nós mulheres!
Um beijo, fique com Deus e até amanhã!
Sheila
 
Ah, mais uma coisinha, quando achar que deve, me passe seu msn, adoraria teclar contigo!
Beijos

sheila_capra@hotmail.com
 
Cada rosto carrega uma história. Histórias de risos, de lágrimas, de alegrias, de tristezas, de surpresas, de decepções, de crescimento, de dores, de amores, de ódios, de solidariedade, de mesquinharia, de humanidade, de egoísmo... Histórias importantes por mais sem graça que seja a vida da(o) dona(o) do rosto...
Será que com o fim tudo isso se perde mesmo, Tuka querida?
Hein? Hein?
Ps: vc tem uma alma poética demais para acreditar no fim...
Beijos!!!!!!
 
fazia tempo que nao lia um desses... Desses que a gente acha que serão simples posts e nos mostram um surto de talento bem conduzido. Adorei! A-do-rei!

Bjos
 
o caminho nunca deve saber... nós é que temos que fazê-lo! sempre! Beijos
 
Uauuuu!
Inpiradíssimo texto, hein? Hehehehehe
Ah, muito obrigado pelo oferecimento do livro... Mas pode deixar que usarei meu poder de persuassão com meu quase-maridinho (ou namorido, como preferir). Ele também folheou o livro e gostou da história, ou seja, meio passo pra depois pegá-lo permanentemente emprestado, hihihihihihi... Isso sempre acontece aqui! ;-)
Bjs

http://abolsadamuher.zip.net
http://cafofodamieko.zip.net
 
E não é que somos assim mesmo? Eternamente "perdidas"....
O meu problema é pensar demais.
Seria útil um botãozinho no cérebro.... pelo menos enquanto durmo seria legal mantê-lo em off....
 
Neste texto, encontrei uma mulher única e inigualável, mas também vi todas as mulheres do mundo retratadas nestas palavras.
O que isso significa? Significa que somos todas mulheres únicas e inigualáveis!!! :-)

Beijo, Tuka!
 
Postar um comentário



<< Home

Leia antes de usar
Desde 15 de janeiro de 2002 uma jornalista nonsense escreve desembestada no blog que chama carinhosamente de sua Casa.

Aqui têm besteiras demais, coisas inúteis demais, enfim, tudo o que nem precisava ser dito, muito menos escrito.

Obviamente, qualquer semelhança com a realidade é única e exclusivamente uma opção da autora.

Assim como o direito de escrever
o que bem entender, claro!


Uma campanha Casa da Tuka contra o plágio
Divulgue em seu Blog:




O Avesso dos ponteiros

Livro de cabeceira
Aparentemente é Isso Mesmo
Uma Brasileira
Heart's Place
Blog by Dani
A prateleira
Desiderata
Blônicas
Observados

Casa no Orkut


My Unkymood Punkymood (Unkymoods)



Procure aqui

powered by FreeFind


Ouvidos




website hit counter

tracker

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

Get your own free Blogoversary button!
. . .

Design By:
Lin Diniz
Powered By:
Fernando Boniotti